shutterstock_142450960

A par de outras reparações a fazer numa casa, a pintura de interiores é certamente tida como uma das mais dispendiosas. De facto, as empreitadas de pintura, quer pela natureza das matérias primas que utiliza (as tintas são normalmente caras) quer pela morosidade da aplicação das mesmas, tornam-se uma das actividades de bricolagem doméstica mais difíceis de planear e executar.

Nas empreitadas de pintura efectuadas depois da construção do imóvel – retoques, cobertura de falhas, passagens de demão para reavivar cores interiores e exteriores – é muitas vezes necessário fazer bem a distinção entre tintas para pintura de interiores e tintas para pintura de exteriores. Uma pesquisa num motor de busca online pode esclarecer esta questão, mas aproveitamos para lhe dar uma ajuda – clique aqui e aceda a um rápido esclarecimento sobre as características principais dos dois tipos de tinta.

Dada a elevada área a pintar, bem como o número de demãos necessário – normalmente duas, no mínimo – é importante poupar em tudo o que for possível nas empreitadas de pintura. Existem várias soluções que lhe permitirão poupar – por exemplo, não há necessidade de comprar material de pintura (pincéis, paletas, rolos, esticadores, diluente…) se os puder pedir emprestados a um amigo; apenas garanta que devolve tudo como novo! No entanto, onde de facto possivelmente estará a maior poupança será mesmo na tinta. Pode consultar aqui um guia de preços elaborado para tintas de pintura de interiores, onde poderá comparar marcas e os respectivos intervalos máximos de preço. Este tipo de ferramentas permitem-lhe encontrar a melhor solução de compromisso qualidade/preço, sendo de utilidade e relevância crescentes com o aumento das dimensões das empreitadas de pintura – uma pequena poupança a pequena escala torna-se uma grande poupança a uma larga escala!

Antes de avançar para a execução de uma pintura de interiores, deverá acautelar que escolheu a melhor opção, tanto no serviço – caso tenha contratado um pintor profissional – como nas tintas que comprou, caso esteja você mesmo a fazer a empreitada de pintura. Não descure, por exemplo, a qualidade das tintas, mesmo que tenha que pagar um pouco mais por isso. Assim, evitará a eventual necessidade de corrigir mais tarde empreitadas defeituosas e sem a qualidade necessária, o que implicará maior custo. Boas pinturas!

shutterstock_361751117

Todos nós temos em casa um móvel antigo que provavelmente queremos deitar fora. Antes de o fazer, já alguma vez pensou dar-lhe um novo ar, pintando-o? Se calhar nunca considerou esta hipótese, pois não imagina quanto custa pintar um móvel.

Não lhe estou a querer dizer para se pôr a pintar a casa toda mas, com um mínimo de sabedoria, alguns retoques e muita paciência, conseguirá pintar um móvel e obter um praticamente novo. E quanto custa pintar um móvel? Bom, é uma pergunta difícil de responder, pelo menos objectivamente, com um valor concreto. Mas asseguro-lhe que conseguirá um resultado muito satisfatório, com alguma dose de esforço e por um custo muito menor, quando comparado com o valor que pagaria comprando um móvel novo ou contratando empresas de pintura.  E para pintar portas de madeira, qual o orçamento?

Esta pergunta torna-se um pouco mais difícil de responder. Em geral, para pintar portas de madeira, o orçamento resume-se a comprar o verniz protector da madeira e em aplicar a cor castanha tão característica destes objectos. Ainda que variando de tonalidade, este tipo de produtos são de fácil e barata aquisição em qualquer supermercado generalista de bricolagem. Note-se que, para pintar portas de madeira, o orçamento terá que ter em conta, de forma semelhante à pintura de móveis, os custos das lixas e materiais decapantes – que são algumas vezes usados para remover os restos de tinta antiga das peças – mas uma vez mais este tipo de materiais são de uso comum e transversal a muitas actividades domésticas no lar, pelo que serão de fácil aquisição.

No caso de pintar portas de madeira, o orçamento não variará muito com a área da porta a pintar – para dimensões de uma casa média, uma lata grande de verniz protector será mais que suficiente, e poderá ainda ser conservada para outras pinturas mais tarde (até porque irá ficar super entusiasmado com o resultado e irá querer repetir). No entanto, não será bem assim no que toca a quanto custa pintar um móvel, a menos que este tenha um tratamento semelhante ao das portas de madeira – verniz protector e cor castanha básica. Para móveis de criança, por exemplo, serão privilegiadas cores garridas, diversificadas e brilhantes que, apesar de se venderem em latas de pequeno volume, são normalmente mais dispendiosas. Não se esqueça, em ambos dos casos, de aplicar um primer antes da tinta propriamente dita, que permitirá “agarrar” melhor a tinta ao móvel, aumentando muito a durabilidade do revestimento.